Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Novamente Geografando

Este blog organiza informação relacionada com Geografia... e pode ajudar alunos que às vezes andam por aí "desesperados"!

Novamente Geografando

Este blog organiza informação relacionada com Geografia... e pode ajudar alunos que às vezes andam por aí "desesperados"!

LIXO ELECTRÓNICO ATINGE NOVO RECORDE EM 2014

Mäyjo, 22.04.15

elixo_SAPO

A quantidade de resíduos eléctricos e electrónicos que chegou às lixeiras em 2014 voltou a bater um novo recorde, com as maiores percentagens per capita a pertencer a países que advogam ser defensores do ambiente.

De acordo com um novo relatório, escreve o Discovery News, em 2014 foram enviadas para as lixeiras 41,8 milhões de toneladas de lixo electrónico – principalmente frigoríficos, máquinas de lavar e outros electrodomésticos em fim de vida. Este valor equivale a 1.150 milhões de camiões numa fila de 23.000 quilómetros, revela um estudo elaborado pela Universidade das Nações Unidas, o ramo educacional e de investigação da organização.

Ainda de acordo com o relatório, menos de um sexto de todo o lixo electrónico produzido foi devidamente reciclado. Em 2013, a totalidade de lixo electrónico ascendeu a 39,8 milhões de toneladas e, de acordo com a tendência crescente, o relatório indica que em 2018 podem ser atingidos os 50 milhões de toneladas.

No que concerne aos maiores produtores de lixo per capita, a Noruega lidera o pódio, com 28,4 quilos de lixo electrónico por habitante. Segue-se a Suíça (26,3 kg), Islândia (26,1 kg), Dinamarca (24 kg), Reino Unido (23,5 kg), Países Baixos (23,4 kg), Suécia (22,3 kg), França (22,2 kg) e os Estados Unidos (22,1 kg). A região do globo que menos lixo electrónico produziu foi África, com 1,7 quilos por pessoa.

Em termos de volume, a maior quantidade de lixo foi produzida pelos Estados Unidos e China, que juntos são responsáveis por 32% do total de lixo electrónico mundial. Em termos monetários, a reciclagem destes resíduos podia ter gerado cerca de 18,5 mil milhões de euros e 300 quilos de ouro – cerca de 11% da produção ouro mundial em 2013.

“A nível mundial, os resíduos electrónicos são uma ‘mina urbana’ valiosa e um potencial reservatório de materiais recicláveis”, afirmou o vice secretário-geral das Nações Unidas, David Malone, na apresentação do relatório.

Mas os 41,8 milhões de toneladas de lixo electrónico também equivalem a 2,2 milhões de toneladas que produtos perigosos, como o mercúrio, cádmio e crómio, bem como 4.400 toneladas de clorofluorcarbonetos – os gases responsáveis pela depleção da camada do ozono.

Foto: transmediale / Creative Commons

NOVA IORQUE: COLOCAR DISPOSITIVOS ELETRÓNICOS E ELETRODOMÉSTICOS NO LIXO VAI PASSAR A SER ILEGAL

Mäyjo, 01.02.15

Nova Iorque: colocar dispositivos electrónicos e electrodomésticos no lixo vai passar a ser ilegal

Nova Iorque quer reduzir o lixo electrónico e, como tal, a partir do início de 2015 passa a ser ilegal deitar electrodomésticos ou qualquer tipo de dispositivo electrónico no lixo comum.

Colocar estes objectos no lixo é o mesmo que dizer que o seu destino é acabar numa lixeira, onde, sob a acção do tempo, acabam por libertar produtos químicos nefastos para o ambiente, animais, plantas e humanos. Adicionalmente, muitas partes metálicas destes equipamentos podem ser recicladas, o que permite reduzir o impacto destes objectos no meio-ambiente.

A partir de Janeiro os nova-iorquinos vão ter várias opções de reciclagem destes equipamentos. Superfícies comerciais como a Staples ou a Best Buy vão ter pontos de recolha destes objectos. Vários produtores destes equipamentos vão passar a ter um serviço de recolha e grandes edifícios residenciais da cidade vão ter também acesso a um serviço de recolha gratuito, escreve o TreeHugger.

Caso os electrodomésticos e dispositivos electrónicos estejam apenas velhos podem ser doados ou vendidos através do serviço NYC Stuff Exchange.

Nova Iorque proíbe já a colocação de baterias recarregáveis no lixo e obriga a que todas as operadoras de telecomunicações recolham telemóveis em fim de vida para reciclagem. Em 2012, os Estados Unidos geraram mais lixo electrónico por habitante que qualquer outro país no mundo.

Foto: curtis palmer/ Creative Commons

O que fazer ao seu electrodoméstico velho?

Mäyjo, 01.02.14

O que fazer ao seu electrodoméstico velho?

 

As campanhas e avisos sucedem-se, mas ainda podemos encontrar muitos electrodomésticos em fim de vida junto dos ecopontos e caixotes de lixo portugueses.

A situação é prejudicial ao ambiente: alguns equipamentos, como frigoríficos, telemóveis, computadores e monitores, contêm substâncias tóxicas e nocivas para o ambiente. Quando não são desmantelados de acordo com as normas de segurança ambiental, eles acabam por libertar para a atmosfera substâncias extremamente nocivas, como chumbo, arsénio, mercúrio, entre outros, constituindo um risco para o ambiente e saúde pública.

Por outro lado, a reciclagem dos equipamentos eléctricos permite a recuperação de matérias-primas como o plástico e o vidro, mas também de substâncias valiosas como o cobre ou o ouro.

De acordo com a Amb3E, apenas cerca de 30 a 40% dos resíduos de equipamentos eléctricos e electrónicos (REEE) são devidamente tratados e reciclados, existindo canais não oficiais de recolha de REEE.

O que fazer ao electrodoméstico velho?

Por todos estes motivos, é importante que as pessoas saibam como e onde podem depositar o seu equipamento usado.

Se pretende adquirir um equipamento novo, pode gratuitamente proceder à troca do novo pelo velho, desde que o equipamento novo cumpra a mesma função. Esta regra estende-se para a entrega ao domicílio.

Se não pretende adquirir um equipamento novo pode encaminhar da seguinte forma:

1.Os electrodomésticos pequenos, como batedeiras, telemóveis, rádios, entre outros, podem ser depositados num dos Ponto Electrão existentes em todo o País (ver locais emwww.amb3e.pt).

2.Grandes equipamentos ou grandes quantidades de resíduos podem ser entregues num dos centros de recepção que estão preparados para receber, gratuitamente, todos os fluxos de REEE

3.Entrega nas Corporações de Bombeiros com protocolo com a Amb3E

4.Também é possível solicitar os serviços da Câmara Municipal da área de residência para que o recolham no local.

O que acontece ao meu electrodoméstico depois de eu o entregar?

Depois de entregues, os REEE são recolhidos através do sistema de logística gerido pela Amb3E. Os equipamentos são enviados para tratamento e valorização nas UTV. Depois de separados em cinco fluxos seguem para desmantelamento sendo os seus componentes separados, alguns posteriormente incorporados em novos equipamentos.

Finalmente, alguns equipamentos ainda podem ser recuperados e reutilizados e são entregues pela Amb3E a instituições de solidariedade social, através da Entrajuda.

Ainda tem dúvidas sobre a reciclagem de resíduos de equipamentos eléctricos e electrónicos? Todas as informações sobre a rede de locais de recepção da Amb3E podem ser encontradas no site www.amb3e.pt ou através da linha verde 800 262 333.


Foto: Greg Walters, sob licença Creative Commons


in: Green Savers